Gravidez Programada

Gravidez planejada: conheça os benefícios

Desde 2008, vemos uma crescente preocupação dos profissionais Médicos da Saúde Reprodutiva na chamada Medicina Periconcepcional. Este termo cunhado pelo Prof. Nick Macklon, tenta abranger a avaliação da Saúde Reprodutiva do casal e o diagnóstico das condições e fatores de risco que envolvem as dificuldades na hora da gravidez.

Entre eles, os mais comuns são:

  • Idade da mulher
  • Riscos hereditários e genéticos
  • Condições adequadas de higiene reprodutiva
  • Sexo seguro
  • Comportamentos pessoais de manutenção
  • Promoção de Saúde

Gravidez planejada: para a mulher

A idade da mulher a partir dos 35 anos, comprovadamente compromete as chances reprodutivas do casal. No Homem este risco é muito menor com a evolução da idade.

Assim, imagine que uma mulher que até os 35 anos ainda não concebeu, por interesse pessoal ou fatores conjugais; quando tomar esta decisão deveria receber uma avaliação médica periconcepcional, para avaliar, diagnosticar e atenuar ou tratar os fatores e condições de risco reprodutivo, ainda não expostos, incluindo seu parceiro, o futuro pai.

Caso não haja interesse ou a figura do parceiro envolvido, ainda assim esta mulher poderá discutir Técnicas de Reprodução Assistida com congelamento dos óvulos, tratamentos das afecções mais comuns nesta idade como miomas e endometriose, avaliar sua reserva ovariana afastar ou tratar fatores de riscos individuais como Tabagismo, uso de drogas de risco sejam terapêuticas médicas ou cosméticas ou sejam drogas ilícitas.

Gravidez planejada: para o homem

No parceiro varias situações comportamentais também podem comprometer a futura fertilidade como uso de esteróides em produtos para ganho de massa muscular, o tabagismo e uso de drogas para calvície, micoses, antidepressivos e outras. Além disto, a avaliação seminal por testes laboratoriais podem refletir em amostras simples de sêmen, o potencial reprodutivo masculino e alterações de risco para Homens assintomáticos.

Medicina Reprodutiva para o casal

Então, para a decisão de postergar a concepção ou para obtê-la quando já há uma vida sexual ativa e ainda não ocorreu a gestação, é fundamental que o casal ou o indivíduo, particularmente a mulher moderna que vem adiando esta decisão; sejam orientados adequadamente sobre seus riscos e prognóstico por profissional especializado atento as mais modernas técnicas de avaliação diagnóstica e terapêuticas da Medicina Reprodutiva.

Mesmo situações em que um dos cônjuges veja tenha concebido em outro relacionamento, os conceitos da Medicina Periconcepcionais deverão prevalecer para otimizar e garantir melhores resultados reprodutivos a união atual.

Diretor técnico do Centro de Reprodução Humana Wagner Busato, em São Paulo. Formado em ginecologia e obstetrícia, é especialista em Ultrassonografia, Histeroscopia e Laparoscopia.

Deixe seu Comentário

Artigos Relacionados

Ver todos os Posts