Fertilização in vitro (FIV)

Fertilização in vitro

Diferentes dos tratamentos de baixa complexidade, como o coito programado ou a inseminação artificial, nesta técnica de alta complexidade, os óvulos da paciente são coletados através da estimulação ovariana, e então fertilizados em laboratório, onde devem permanecer em cultura por dois a sete dias, até que as primeiras divisões celulares começam a acontecer.

A transferência embrionária é então realizada, selecionando de um a quatro dos embriões gerados. Após a implantação a paciente receberá a prescrição de medicamentos que ajudarão na manutenção da gestação, facilitando a criação de um ambiente uterino favorável.

A fertilização in vitro é indicada nas falhas de inseminações através de técnicas de menor complexidade, endometriose grave, síndrome dos ovários policísticos, ISCAS de longa data e quando a paciente está recebendo doação de óvulos.

As taxas de sucesso da fertilização in vitro são bem expressivas, alcançando o sucesso na primeira tentativa em 65% nos casos. No caso de falha na primeira tentativa, uma nova FIV poderá ser realizada logo após um novo ciclo menstrual, não havendo um número limite de tentativas para o procedimento.