Coito Programado

Coito Programado

Neste procedimento de baixa complexidade, a mulher paciente é, primeiramente, submetida à estimulação ovariana e o acompanhamento do crescimento folicular via monitorização ultrassonográfica, para que dessa forma seja possível predizer o momento mais correto da ovulação, respeitando-se sempre os limites de segurança. O casal então é orientado a manter relações sexuais no período fértil determinado, de forma que a fertilização ocorra da forma mais natural possível.

O tratamento normalmente é iniciado em torno do segundo ou terceiro dias do ciclo menstrual, considerando-se o primeiro dia de sangramento “vermelho vivo”, com o exame de ultrassonografia.

Em seguida é feita a aplicação da medicação diária por via subcutânea, seguindo a dosagem estabelecida pelo médico responsável.

A partir do sétimo ou oitavo dias de tratamento inicia-se os controles de ultrassonografia em dias alternados ou diários, para avaliação da resposta ovariana ao estímulo, até o momento em que o folículos estejam prestes a ovular. Induz-se, então, a ovulação propriamente dita com o uso de medicações injetáveis e programam-se as melhores datas para as relações sexuais.